A tiara de US$ 300 mil da Dolce & Gabbana que você só pode usar no metaverso

Uma tiara virtual da Dolce & Gabbana arrecadou mais de US$ 300 mil em um leilão. Tubarões digitais vestindo Burberry, e uma bolsa Gucci virtual que custa mais do que seu equivalente na vida real, também foram vendidas. A moda digital está fazendo muito sucesso, e muitas marcas de luxo já estão aderindo à nova tendência, as primeiras evidências mostram haver compradores dispostos a pagar preços exorbitantes pelos objetos virtuais.

Cult & Rain, é uma marca fabricante de tênis e vendeu cerca de 1.179 pares sapatos reais, cada um combinado com uma versão digital, vendido em NFT, que custava 0,5 Ethereum, equivalente a US$ 1.635.

Segundo George Yang, fundador da empresa, a ideia era atingir dois grupos de consumidores: entusiastas de tênis e especuladores de NFT. Em entrevista mostrada pelo Oglobo, ele conta que não sabia se esses possíveis compradores apareceriam. “Não sabíamos se venderíamos sequer uma dessas coisas”, disse ele.

Analistas dizem que se as empresas descobrirem como engajar uma nova geração de consumidores, as vendas digitais poderão aumentar 50 bilhões de euros por ano. Isso representa um décimo de todas as receitas de luxo projetadas para a indústria até então.

Em entrevista para o Oglobo, Anita Balchandani, sócia britânica do grupo de luxo McKinsey & Co., conta o motivo pelo qual pensa que investir nesse novo mercado pode dar certo. “Você tem milhões da próxima geração de consumidores de luxo gastando várias horas por dia em plataformas de jogos, então pensamos haver uma oportunidade”, diz ela.

Ela também argumenta que, há anos jogadores de vídeo games gastam alguns dólares, em roupas e outros acessórios para seus avatares nos jogos.

Bernard Arnault, executivo-chefe da LVMH Moët Hennessy e Louis Vuitton, o maior grupo de luxo do mundo, é um cético notável. “Estamos analisando isso, mas não estamos no negócio de vender sapatos virtuais”, disse ele. 

Um problema para a indústria da moda, são os imitadores ou fraudes. Já que, na prática, uma pessoa pode vender uma NFT de qualquer imagem, mesmo sem possuir os direitos autorais. E foi o que aconteceu com a marca de luxo Hermès, que processou um criador de NFT, alegando que ele violou a marca registrada da empresa em suas bolsas mais populares. Porém, o criador que se chama MasonRothschild, entrou com pedido de desistência do processo, alegando que está criando arte digital e não vendendo bolsas falsas.

Vestidos Burberry

A coleção Shark B, lançou 750 personagens digitais da marca Burberry, cada um tinha uma versão única. Os personagens foram cotados em cerca de US$ 300 dólares por peça, que se esgotaram em 30 segundos.

Joias Dolce & Gabbana

Composta por nove (cinco delas teve lançamento físico)  criações, a coleção digital intitulada Gênesis, teve peças vendidas por US$ 5,7 milhões de dólares. Os valores maiores foram nas peças físicas, porém, as digitais também alcançaram um valor considerável. Uma tiara virtual enfeitada com joias digitais cintilantes, foi vendida por US$ 300 mil dólares.

Bolsa Gucci

A marca disponibilizou cerca de 400 versões digitais de suas bolsas Dionysus, nos jogos Rablox, pelo valor de US$ 6 dólares cada. Vários jogadores ficaram ansiosos para personalizar seus avatares com acessórios Gucci, um deles chegou a desembolsar US$ 4.000, mais que o equivalente da bolsa na vida real.

Foto Destaque: Tiara digital Dolce & Gabbana. Reprodução/Oglobo.

 


Fonte: R7

Registro de Prova de Anterioridade na Blockchain

Com Authora Digital você cria provas de anterioridade dos seus arquivos digitais e obras autorais em apenas 1 minuto.

Tudo de forma segura, transparente e com validade legal.

Potencializando o Universo Jurídico através da Tecnologia